terça-feira, 24 de abril de 2012

Sobre o Amor- Parte IV



"Contra o amor não existe guarda- chuva", pode-se dizer parafraseando João Cabral de Melo Neto-, mas adverti-los (as) dos inevitáveis perigos e das deliciosas recompensas que estão  à espera dos que, na vida, percorrem, com seus próprios pés e com seus próprios corações, caminhos ou descaminhos semelhantes.
Semelhantes, talvez; idênticos, nunca. Pois cada amor é sempre um amor como nunca houve outro igual!"
















"Fica bem aí

Que essa luz comprida

Ficou tão bonita

Em você daqui!!"

sexta-feira, 20 de abril de 2012




"Cada pedaço de mim sabe o inferno que é ser sol em noites de chuva,

ser cor nos cinzas dos edifícios,

ser luz na escuridão das manhãs.

Cada todo de ti sabe a delícia que é ser flor nas asas do vento,

ser cristal nos olhos das fadas,

ser azul no fundo do mar.

Cada suspiro de nós sabe a angústia que é ser só um na multidão dos dias,

ser muito na pobreza da esquina,

ser ninguém na roda da vida.

Enquanto isso os relógios se vão,

e veem aqueles que sabem o que é apenas ser na ausência do nada!"
(Clarice Lispector)

quarta-feira, 18 de abril de 2012

Poema de Natal- Vinicius de Moraes


"Por isso precisamos velar, falar baixo, pisar leve, ver a noite dormir em silêncio. Não há muito o que dizer: Uma canção sobre um berço, um verso, talvez de amor, uma prece por quem se vai — Mas que essa hora não esqueça e por ela os nossos corações se deixem, graves e simples. Pois para isso fomos feitos: Para a esperança no milagre, para a participação da poesia, para ver a face da morte — De repente nunca mais esperaremos...
Para isso fomos feitos: Para lembrar e ser lembrados. Para chorar e fazer chorar. Para enterrar os nossos mortos — Por isso temos braços longos para os adeuses, mãos para colher o que foi dado Dedos para cavar a terra. Assim será nossa vida: Uma tarde sempre a esquecer, uma estrela a se apagar na treva, um caminho entre dois túmulos ."

sábado, 14 de abril de 2012

As alianças

Mais importante do que encontrarmos oportunidades boas é a nossa capacidade de refletir melhor a respeito das pessoas às quais nos associamos. A ideia não é você se fechar a elas, muito pelo contrário, mas é importante estar alerta e ter posições bem definidas em relação a elas.
Pensando bem, você entenderá que não é com qualquer uma que você pode ter conversas sérias, não é com qualquer uma que você pode conversar deliciosas bobagens, ou seja, cada pessoa pede um tipo de contato. Além disso, há também o ponto de que devemos ir até as pessoas sabendo o que esperar delas.
Não adianta nada imaginar que será possível encontrar sorvete num açougue. Ao invés de tentar mudar os outros, procure entender que cada pessoa tem suas peculiaridades, sua individualidade.
Ao mesmo tempo, você precisa fazer valer as suas próprias necessidades. Quer dizer: num relacionamento, cada pessoa cede um pouquinho. Quando apenas uma parte cede, não é relacionamento, é jogo de submissão.